terça-feira, 13 de setembro de 2011

Café da tarde merece BOLO!

1722 emailQuem tem mais de 30 anos deve se lembrar , nos anos 80, como eram as festas de aniversário: temáticas, como as de hoje, porém na mesa no lugar do bolo havia sempre uma caixa como parte da decoração e para nossa alegria essa caixa trazia aquele delicioso Bolo Gelado. Esse bolo nem sempre vinha “recheado” mas tinha uma deliciosa calda e parece que ficava ainda melhor depois de um tempo embrulhados no papel alumínio. A receita de hj é de um bolo simples que acrescentei uma calda que tb não tem nenhum segredo – é diversão para a hora do café, afinal na primeira mordida a recordação da infância é garantida! Ah! se não quiser, não precisa embrulhar o bolo! (talvez não dê tempo!)

Ingredientes

3 colheres (sopa) de margarina

2 xícaras de chá de açúcar

4 ovos (colocar as gemas e depois as claras batidas na mão)

2 e meia xícaras de trigo

1 xícara de leite

1 colher de Royal

Modo de Fazer:

Bata as claras em neve bem firme, reserve. Bata as gemas com a manteiga e o açúcar até ficar com uma cor bem clarinha. Acrescente o trigo e o leite misturando bem, depois acrescente o Royal diminuindo a velocidade da batedeira, e por último coloque delicadamente as claras em neve. Coloque numa forma untada e leve ao forno pré aquecido a 200º até que vc fure com um palito e este saia seco.

Calda

1 lata de leite condensado

a mesma medida de leite

3 colheres de sopa de coco ralado (de pacotinho)

Modo de fazer:

bata tudo no liquidificador. Fure o bolo com um garfo q despeje essa calda no bolo ainda quente.

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Rabanada–tente resistir!

rabanada-f8-1245Há alguns dias, nessas conversas de cozinha e comes, uma amiga q trabalha conosco sugeriu fazermos uma Rabanada, até pq ela estava com vontade e eu, nunca havia comido tal delicia pois nunca me abriu o apetite pq vamos combinar, é uma gostosura mas nada bonita. Pois bem, o grande dia chegou e fiz a tal. Cacei uma receita no Cyber Cook e dei uma olhada no meu livro Dona Benta – Comer Bem (se desejar, e recomendo, compre aqui) para ter uma ideia de como se faz direitinho.

Aqui vão os Ingredientes:

1 lata(s) de leite condensado
1 lata(s) de leite
3 unidade(s) de ovo
4 unidade(s) de pão francês em fatias
quanto baste de açúcar
quanto baste de canela-da-china em pó

Modo de Preparo

Misture o leite condensado e o leite.Bata com o garfo os ovos. Esquente uma frigideira com óleo mas não deixe ficar tão quente. Passe bem as fatias de pão na mistura de leite e depois nos ovos batidos. Frite até dourar de ambos os lados. Passe no açúcar com canela.

nota: a foto foi tirada do Cyber Cook e desconheço a autoria.

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Curiosidade gastronômica: Os segredos do camarão do Bar das Ostras

Publicado por Nide Lins em 03/08/2011 as 17:17 Arquivado em Blogs, Destaque, Nide Lins

Camarão do Bar das Ostras, criação da comadre Oscarlina, será o primeiro patrimônio imaterial do Estado (Fotos: Nide Lins)

Camarão do Bar das Ostras, criação da comadre Oscarlina, será o primeiro patrimônio imaterial do Estado (Fotos: Nide Lins)

Na barraca Nossa Senhora de Fátima, no mercado da Produção está guardado um dos segredos do famoso camarão do Bar das Ostras: a manteiga da cidade de Major Isidoro, usada pela comadre Oscarlina para preparar a iguaria que durante décadas fez muitos alagoanos e turistas comer rezando. Mesmo com o fim do restaurante o sabor marcante do crustáceo sobreviveu na memória de tantos, como do senhor José Oliveira Filho, o famoso Deda, comerciante da manteiga na barraca Nossa Senhora de Fátima.

Seu Dadá desde os anos 70 vende a manteiga que é o segredo do camarão do Bar das Ostras

Seu Deda desde os anos 70 vende a manteiga que é o segredo do camarão do Bar das Ostras

“O velho (seu Pedro, esposo de Oscarlina) vinha sempre comprar na minha barraca. Na época do Bar das Ostras ele comprava entre 150 e 200 quilos de manteiga para fazer o melhor camarão de Alagoas”, lembra seu Deda. Muito feliz, ele conta que, dias atrás, as filhas da comadre Oscarlina vieram de Natal para comprar uma grande quantidade para fazer a receita para Sococo.

Pois bem, a empresa alagoana Sococo, numa iniciativa louvável comprou a receita do Camarão do Bar das Ostras para torná-la de utilidade pública, doando-a ao Estado como presente de aniversário da própria empresa. O objetivo é transformá-la em Patrimônio Imaterial de Alagoas e o processo para tanto já se encontra em andamento junto a Secretaria de Estado da Cultura. E a empresa foi mais além, promoveu uma oficina voltada a chefs e gourmets de Alagoas. Dessas lições os profissionais da culinária alagoana saíram aptos para reproduzirem o prato e, se assim o desejarem, estão liberados para incluí-lo em seus cardápios.

O Camarão do Bar das Ostras nasceu da alagoana chamada carinhosamente de Comadre Oscarlina, que na década de 50 comercializava na sua humilde casa à beira da lagoa Mundaú, no Vergel do Lago, as ostras que posteriormente deu nome ao empreendimento popular. Mas, o seu camarão macio, de caldo suculento, sabor marcante, único, ficou marcado na memória de muita gente.

O segredo foi guardado a sete chaves pela comadre, e só ela sabia fazer. A herança do saber e de como fazer o camarão foi passada para suas filhas Marta Cristina, Vera, Marluce, Jandira e Mabel. Coube as essas meninas a missão de repassar os segredos na oficina promovida pela Sococo.

Na oficina, os chefs atentos ficaram surpresos, porque a receita não leva leite de coco, nem creme de leite. Os ingredientes são simples, populares, comprados no mercado da produção, como o vinagre Tomatão, cebola, pimentão, tomate, coentro, extrato de tomate e manteiga de Major Isidoro e/ou Batalha. O camarão é o mais nobre pescado no mar de Alagoas, chamado Vila Franca ou Branquinho, embora elas dissessem que o camarão Rosinha também é indicado.

A receita envolve também uma técnica no preparo do camarão, uma espécie de choque de temperaturas. Primeiro um quilo de camarão com casca é colocado em água quente por 10 minutos, depois é retirado para levar um banho de água fria e descascado. Fica descansando para levar outro banho de água quente, desta vez com sal por mais cinco minutos.

Retirada a água fica descansado. A segunda etapa é o molho, para um quilo de camarão é usado meia cebola, um tomate, 1/3 de pimentão, 1/3 do maço do coentro, duas colheres de sopa de extrato de tomate e uma colher de sopa de vinagre Tomatão. Batem-se tudo no liquidificador.

Todos os ingredientes da receita são encontrados no Mercado da Produção

Todos os ingredientes da receita são encontrados no Mercado da Produção

Numa panela se coloca o molho batido, duas colheres de azeite e meio limão (mas o segredo é não espremer todo, apenas uma parte). Deixe ferver, abaixe o fogo, acrescente o quilo de camarão e aos poucos 600 gramas de manteiga.

Filhas da Oscarlina mostram o saber e fazer do camarão do Bar das Ostras

Filhas da Oscarlina mostram o saber e fazer do camarão do Bar das Ostras

No primeiro dia de oficina as filhas da Oscarlina mostraram o saber e fazer, e como toda gastronomia popular a medida não é em gramas, está na cabeça e a prova é no paladar. E quando um chef perguntava quantos gramas, elas respondiam: ‘O quanto baste”.

No segundo dia da oficina “o quanto baste”, pela primeira vez, foi decifrado em gramas. E os chefs com a mão na massa testaram a receita, uma equipe colocou muito limão, a receita ficou ácida. Outros cozinharam pouco os legumes e o sabor não ficou igual ao da comadre Oscarlina.

O resultado final tem um sabor histórico, afinal a comadre Oscarlina era uma grande chef no tempo onde cozinha não era moda, e a simplicidade deu fama ao camarão. A receita criada pela dama alagoana merece ser tombada porque passou décadas na memória. Graças ao talento e criatividade da comadre, Alagoas terá o primeiro registro gastronômico como patrimônio: o Camarão Alagoano do Bar das Ostras.

Salve Oscarlina!

À Sococo, o eterno agradecimento de Alagoas!

Caldo do camarão do Bar das Ostras é consistente

Caldo do camarão do Bar das Ostras é consistente

Receita de Salada de frango tropical - Cyber Cook Receitas

1 unidade(s) de peito de frango com osso Sadia
50 gr de bacon Sadia em cubos pequenos
2 fatia(s) de abacaxi picada(s)
1/2 xícara(s) (chá) de maçã verde em cubos pequenos
2 xícara(s) (chá) de maionese
1 xícara(s) (chá) de batata palha
1 colher(es) (sopa) de salsinha picada(s)
quanto baste de sal
quanto baste de pimenta-do-reino branca
12 unidade(s) de torrada(s) integral

Modo de Preparo


Cozinhe o peito de frango em água temperada com sal e pimenta branca a gosto.
Quando estiver totalmente cozido, escorra, deixe esfriar, desfie e reserve.
Em uma frigideira, frite os cubos de bacon até que fiquem levemente crocantes. Reserve.
Em um recipiente fundo, misture o frango, abacaxi, maçã, bacon, maionese e salsinha.
Acrescente a batata palha somente no momento de servir, para que não amoleça.
Sirva acompanhado de torradas.

Matéria assinada por:
Chef Rodrigo Anunciato
Formado em gastronomia pelo Senac e Professor de Gastronomia na Universidade Católica de Santos.



Receita de Salada de frango tropical - Cyber Cook Receitas

Receita de Salada de frango tropical - Cyber Cook Receitas

1 unidade(s) de peito de frango com osso Sadia
50 gr de bacon Sadia em cubos pequenos
2 fatia(s) de abacaxi picada(s)
1/2 xícara(s) (chá) de maçã verde em cubos pequenos
2 xícara(s) (chá) de maionese
1 xícara(s) (chá) de batata palha
1 colher(es) (sopa) de salsinha picada(s)
quanto baste de sal
quanto baste de pimenta-do-reino branca
12 unidade(s) de torrada(s) integral

Modo de preparo


Cozinhe o peito de frango em água temperada com sal e pimenta branca a gosto.
Quando estiver totalmente cozido, escorra, deixe esfriar, desfie e reserve.
Em uma frigideira, frite os cubos de bacon até que fiquem levemente crocantes. Reserve.
Em um recipiente fundo, misture o frango, abacaxi, maçã, bacon, maionese e salsinha.
Acrescente a batata palha somente no momento de servir, para que não amoleça.
Sirva acompanhado de torradas.

Matéria assinada por:
Chef Rodrigo Anunciato
Formado em gastronomia pelo Senac e Professor de Gastronomia na Universidade Católica de Santos.



Receita de Salada de frango tropical - Cyber Cook Receitas

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Nossas Receitas

bandeira_confederados_EUARevirando meu acervo de receitas, encontrei um livro que comprei há alguns anos na Festa dos Confederados. Esta festa acontece todos os anos no segundo domingo de abril no Cemitério do Campo em Santa Bárbara d´Oeste – SP, para celebrar a vinda dos americanos para nossa região em função da Guerra Civil. Esse livro – Nossas Receitas (2ª edição) -  foi editado a partir das receitas fornecidas pelos membros da Fraternidade Descendência Americana e são receitas típicas das famílias descendentes, muitas delas com sua nomenclatura em inglês mantendo assim alguns costumes daquele tempo e também ajuda a contar a história marcante de todas essas famílias e que faz parte da história do nosso país, embora pouco divulgada.

Vou postar algumas receitas que também fazem parte da história da minha família – os Norris e Townsend – e que fizeram parte da infância dos meus bisavós.

Aguardem!

Bolo de Fubá

Quer conforto com “cara de infância na cada da vó” maior do que uma tarde fria com bolo de fubá? Pois bem, mesmo em dias corridos como os q temos tido por aqui, faço questão de preparar algo gostoso para uma pausa merecida, com café e hoje esse bolo de fubá que é preparado com uma massa pré-cozida, mas nada difícil e vale a pena pq é divino! A receita eu peguei na internet e pertence à da chef Heloísa Bacellar, do restaurante Lá da Venda que fica na Rua Harmonia, 161, na Vila Madalena em SP;

Ingredientes

· clip_image0022 xícara(s) de chá de fubá

  • 2 xícara(s) de chá de leite
  • 2 xícara(s) de chá de açúcar
  • 1/2 xícara(s) de chá de óleo vegetal
  • 50 grama(s) de manteiga
  • 1 colher(es) de chá de sal
  • 4 ovos
  • 1 colher(es) de sopa de fermento em pó
  • manteiga para untar e fubá o suficiente para polvilhar a forma
  • açúcar e canela para polvilhar a gosto

Modo de preparo

Coloque o fubá, o leite, o açúcar, o óleo, a manteiga e o sal numa panela média, aqueça. Sempre mexendo, deixe no fogo por uns 10 minutos, até a massa ferver e engrossar e o fundo da panela aparecer.
Retire do fogo e deixe amornar por uns 15 minutos. Aqueça o forno a 200ºC (médio-alto). Unte com manteiga e polvilhe com fubá uma assadeira grande, ou uma fôrma grande para pudim.
Quebre os ovos e coloque as gemas numa tigelinha e as claras na tigela da batedeira. Bata as claras em neve até conseguir picos firmes.
Quando a massa amornar, junte as gemas e o fermento e em seguida, com uma espátula e muita delicadeza, incorpore as claras.
Despeje a massa na fôrma e asse o bolo por uns 40 minutos, até que esteja crescido, bem dourado e firme (ao enfiar um palito no centro, ele deverá sair limpo).
Deixe o bolo esfriar, desenforme se for o caso, polvilhe com açúcar e canela. Sirva em fatias.

O Bolo de Fubá é um dos mais tradicionais quitutes servidos durante as festas juninas. Fubá é a farinha obtida do milho cru, seco e debulhado e o nome veio dos escravos que chegaram ao Brasil vindos de Angola.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Tarde de sexta merece… Bolo de Cenoura

O Bolo de Cenoura é sem dúvida um chamado para uma pausa, mesmo que por apenas 10 minutinhos. E numa tarde de sexta como hoje, de tempo nublado e cara de preguiça, não resisti e preparei essa receita que veio da coleção da minha tia Peke.

Bolo de Cenoura

3 ovos inteiros

3 cenouras (grandes)

2 xícaras de açúcar

1 xícara de óleo

2 xícaras de trigo

1 colher de royal

Calda de Chocolate

8 colheres de chocolate em pós da sua preferencia

6 colheres de açúcar

2 colheres de manteiga

2 colheres de leite quente

Modo de Fazer:

Bolo: Bater no liquidificador os ovos, as cenouras, o açúcar e o óleo. Depois junte “sem bater” o trigo e o Royal;  Quando estiver assado e dourado, desligar o fogo e cobrir com a calda de chocolate.

Calda: Numa panelinha misture todos os ingredientes e cozinhe em foto brando até levantar fervura.

Sweet Friday

Para uma sexta feira gostosa como hj! Enjoy it!

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Para o dia do Amigo: Doce de Abóbora Caseiro

Hoje é DIA DO AMIGO e não se fala em outra coisa nas redes sociais e sobram agrados para os mais chegados.
E para nossa surpresa, uma amiga muito querida, de longa data e que muito não aparecia, veio acompanhar um trabalho e carinhosamente nos presenteou com uma delicia pra lá de tradicional: Doce de Abóbora. Nem preciso dizer q a tarde foi muito agradável!
E fica aqui a receitinha que é muito fácil de fazer e agrada sempre!

Doce de Abóbora
1 kg de abóbora em pedaço pequenos
1 1/2 xícara de chá de açúcar
cravos à gosto

modo de preparo:
Coloque em uma panela os pedaços da abóbora e o açúcar em fogo baixo e tapada. Deixe cozinhar e mexa de vez em quando até obter o doce no ponto q deseja. Acrescente os cravos, deixe esfriar e divirta-se!

Quando tudo empaca...

Quem é que nunca teve um dia daqueles, q ao se levantar da cama já se nota que o dia será "incomum"e haja paciência para driblar de tudo, que vai desde apartar briga de cachorro na calçada logo de manhãzinha - sim! isso tb pode acontecer! - e ao ligar seu computador vc tem a surpresa: ele não liga! E o técnico com seus problemas pessoais ou ocupadíssimo demais para atender ao telefone, não lhe dá a mínima pq no dia a dia é assim q funciona para a humanidade caminhar: cada um com seus problemas!
Pois bem!
Já q cada um lida com seus embaraços do cotidiano da melhor forma q convém, eu penso no que vou preparar para o almoço.
Hj é uma dia em q temos mais alguém para almoçar conosco - a Clarisse, nossa faxineira - então uso essa desculpa para dar uma escapada do nosso menu light q temos procurado seguir. E para um duplo conforto - duplo sim, afinal escapar do politicamente correto e acalmar os nervos merecem Comfort foods - hj vou preparar almôndegas que aprendi ainda adolescente, e hj preparo do meu jeito e ficam divinas!

Almôndegas
350gr de músculo moído
1 cebola pequena bem picadinha
1 dente de alho espremido
2 colheres de sopa de cheiro verde
1 pão amanhecido ou 3 fatias de pão de forma
meio pacote de sopa de cebola
orégano e pimenta do reino a gosto
óleo suficiente para fritar

modo de preparo
Misture bem a carne aos temperos. Molhe o pão e esprema para sair o excesso de água. Feito isso, acrescente à carne e misture muito bem e faça bolinhas não muito grandes para que cozinhem muito bem por dentro.
Frite as bolinhas até ficarem crocantes e sirva a seguir.

Esse quitute pode ser servido com o tradicional "arroz, feijão e salada" pois é uma delicia, e para mim tem cheiro de juventude.

dica: antes de finalizar todos os bolinhos, faça um e frite para provar o sal ;)

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Tarde fria: vai aí um chá de frutas?

Uma tarde fria combina com quitutes, claro! E uma ideia pratica que aprendi ha alguns anos num chá beneficente foi “Chá de Frutas”. Pode parecer comum, eu até diria que sim, mas pode ser variado de acordo com a disponibilidade das frutas q vc tem à mão ou o gosto de cada um. Eu particularmente gosto das frutas cítricas, aquele “azedinho” que acho tudo de bom! Com esse chá vc pode acompanhar o “bisque” que logo posto a receita aqui, mantecal, ou só ele.

Chá de Frutas

1 pera madura

1 maçã de preferência verde

1 goiaba vermelha

1 maracujá grande com bastante popa

1 pedaço de abacaxi

1 pedaço de canela em pau ou 1 colher de chá de canela em pó

2 litros de água (se quiser pode acrescentar um pouco mais pois rende!)

Açúcar a gosto

Modo de Preparo

Pique bem miudinho todas as frutas, coloque tudo numa vasilha grande (com capacidade para mais de 2 litros)  com a água, o açúcar e a canela e deixe ferver em fogo baixo por 15 minutos. Sirva quente.

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Comfort Food–um prazer necessário!

Quem é que numa crise de estres nunca recorreu ao santo doce, ou um quitute que logo após a primeira mordida o momento se transforma e tudo parece se renovar! Sim, a comida é sinônimo de prazer e costumo dizer que após um tempo de nossas vidas – tão corridas! – a principal diversão do ser humano se passa ao redor da mesa: seja para uma bebida, almoço ou jantar, a comida é presente e “PRESENTE” para todos os momentos.

Uma boa refeição é garantia energia para o que der e vier mas se a gula se fez presente o tiro tem grandes chances de sair pela culatra.

Quando trazemos um estilo de vida saudável à mesa, os resultados positivos aparecem qdo menos esperamos: pele bonita, disposição, intestino regular mesmo para os mais preguiçosos entre muitos e muitos benefícios. Porém nos dias de hj temos tantas opções junk que fica difícil fugir delas com frequência, já que são delicias praticamente em mãos, já que em toda loja de conveniência perto de casa oferece algo tentador.

Mas digo por experiência própria e em família: tente resistir ao que sabemos que não faz bem. É sim muito difícil e eu mesma não resisto e as vezes mato a vontade daquele alimento industrializado, mas vale a pena tentar, começar de novo e viver de forma saudável. É delicioso saber que nosso corpo recebe de nós o melhor que podemos oferecer, e viver livre da culpa da gula é ainda mais motivador!